Estado

Piso salarial do magistério no RS segue sem reajuste, apesar do aumento nacional

Autor: Isabella Westphalen
Piso salarial do magistério no RS segue sem reajuste, apesar do aumento nacional
Arquivo DM

No final do ano passado foi anunciado um aumento de 6,81% no piso nacional do magistério. No Rio Grande do Sul, o piso segue o mesmo e, segundo uma das diretoras do CPERS, Sandra Severo, é o Estado com um dos salários mais baixos do Brasil

O ministro da educação, Mendonça Filho, assinou no dia 28 de dezembro do ano passado, a portaria que estabeleceu o aumento de 6,81% para o piso salarial dos professores em 2018. O reajuste segue a lei do piso, que também afirmou a atualização anual do piso nacional do magistério a cada início de ano.

No RS, o governo segue sem pagar o piso aos professores estaduais e a situação não tem data para estabilizar. Segundo Sandra, alguns municípios do Estado conseguem pagar o piso, porém, são poucos. “A nossa preocupação primeiro é se teremos salário mês a mês, pois já estamos recebendo atrasado, não podemos contar com o dia X, porque a cada mês é uma incógnita”, afirmou a diretora, que salienta também que o salário básico no RS é de R$ 630, para o profissional que tem a carga horária de 20h, ou seja, não corresponde nem a um salário mínimo.

Para Sandra, a luta continua sempre pelo pagamento do piso, mas com a incógnita diária de não saber quando receberão, ou quanto e como. “A gente está sempre acreditando que vai conseguir a valorização da classe do magistério, até em relação a educação, queremos que o governo priorize a educação. Acredito que teríamos muito menos violência em um país com mais escolas, que promove cultura, esporte e outras atividades”, frisou a diretora.

Segundo o diretor geral do CPERS em Carazinho, Nelson Von Grafen, a situação é instável e ressalta que, em quatro anos do Governo Sartori, não houve reajuste em relação ao piso. O nível básico recebe R$ 630 e conforme o nível de cada professor, o salário vai aumentando. “Mesmo assim, o nível um, não recebe um salário mínimo, está abaixo disso. Então, o governo não cumpre nem com o salário mínimo e nem com o piso”, avaliou Von Grafen, que acredita que o governo não se preocupa com a educação pública do Estado.

 

Comentários

Horários de Voos

Vôo Empresa Horários Destino (s) Frequência
VCP - PFB Azul 08:45:00 Passo Fundo segunda a sábado
VCP - PFB Azul 17:40:00 Passo Fundo segundas, terças, quartas, quintas, sextas e domin
VCP - PFB Azul 23:15:00 Passo Fundo segundas, terças, quartas, quintas, sextas e domin
VCP - PFB Azul 20:35:00 Passo Fundo sábados
PFB - VCP Azul 06:00:00 Campinas - SP todos os dias
PFB - VCP Azul 10:55:00 Campinas - SP todos os dias exceto aos domingos
PFB - VCP Azul 19:55:00 Campinas - SP todos os dias exceto aos sábados
FLN - PFB Azul 16:15:00 Passo Fundo Segundas, sextas e domingos
PFB - FLN Azul 18:20:00 Florianópolis Segundas, sextas e domingos

Matriz

Curta o Diário

(54)3316-4800Passo Fundo

(54)3329-9666Carazinho

  • Passo Fundo: (54) 9905-7864

    Carazinho: (54) 9959-5027